Um ano jubilar: 2021-2022

3.11.2021

A tradição judaico-cristã se recorda do jubileu como um tempo de alegria; literalmente, de júbilo. Mas não só. Na memória da Aliança (cf. Lv 25), o jubileu era uma espécie de ano sabático, em que, convocados pela trombeta, todos se reuniriam para declarar a liberdade da terra e do povo, inclusive dos escravos e dos estrangeiros. No jubileu, se devolveria a cada um aquilo que lhe foi tirado e seriam perdoadas as dívidas impagáveis. Naquele ano, se daria descanso à terra e se comeria apenas da gratuidade do solo. Era como se, a cada ano jubilar, a história pudesse começar de novo e, rasgadas as promissórias dos erros antigos, todos ganhassem a chance de retomar o caminho, quiçá com passos mais firmes e decididos. Daí o júbilo que marcava a passagem tão importante de um fim para um novo começo. Não é à toa que os cristãos aprenderam a chamar de “primeiro dia” a madrugada em que os raios da esperança cortaram a escuridão da morte de seu Senhor.

O jubileu é, assim, uma oportunidade de revisitar as raízes da história e haurir delas a força e o vigor de seus inícios. É a chance também de checar as bússolas e conferir os rumos para onde se caminha, em meio a tantas perdiduras. É um tempo de avaliação, com certeza; mas sobretudo um tempo de celebração, que ultima a atualização das saudades e principia a realização dos sonhos. É um tempo de verdadeira alegria.

Neste ano jubilar, Rumo aos 35 anos do ISTA, queremos convidar você: não só a conhecer nossa história, reverenciando o passado, mas a fazer parte dela, compondo seu presente e seu futuro. Participe conosco!

ISTA, rumo aos 35 anos: pelo ser e pensar ainda melhor!

19/10/1987– 19/10/2022

Frei João Júnior OFM Cap
Reitor